quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Olfato

Eu gosto mesmo é do cheiro da terra molhada que invade aos poucos os cômodos do apartamento, assim fresco, lembrando a gente de olhar pra fora, de sentir o tempo.
Gosto de pensar que um dia ainda volto na velha casa, e me sento em meio às plantas do nosso jardim só pra enfiar os dedos na terra vermelha, encardindo as unhas de um marrom infantil, segurando na ponta dos dedos o tatu bola que morava ali, ouvindo o barulho dos outros enquanto escutava meu próprio silêncio.
Eu queria mesmo é achar mais um tesouro daqueles, só mais um. Do tipo que encontrava no meio da grama, perdido por mim uma semana atrás, tão esquecido que quando aparecia denovo em minhas mãos eu tinha a indescritível sensação da descoberta.

Ainda que distante, longe daquele tempo em que as horas custavam passar, eu me contento com o cheiro.

Aquele perfume que fez a noite de ontem me abraçar.

4 comentários:

Hosana Lemos disse...

me trouxe uma sensação de que gosto... a saudade saudável, boa!
saudade que nso faz sorrir e lembrar como foi bom aquilo ou aquele tempo...


não tenho o que dizer além de que ficou lindo o texto, muito lindo.


bjos

Gabriela Castro disse...

Lembrou muito minha infância. Tempo bom!
beijos

Carol disse...

Muito lindo lê!

Lile disse...

Oi!
Lembrei da casa da vó, das tias avós... de quando o melhor da vida estava no quintal que tinha o tamanho do mundo.
Bjo!