terça-feira, 5 de agosto de 2008

Carta

Amiga Querida

Será que a vida é mesmo agora? Que não temos outra chance, outro mundo, outra cara?
Não é que não goste dessa, pelo contrário, sou apaixonada pelo céu azul de inverno, pelo verde da grama do meu quintal de criança, pela música dos passáros na janela ao lado da minha cama de casal, pelo sol fraco das seis da tarde queimando de leve meu rosto rosa.
O que me deixa um pouco frustrada é o que nós duas já sabemos: isso acaba.
E acaba onde?
Não sabemos o dia, e já me conformei, é melhor mesmo não saber a hora.
Mas e quando fercharmos os olhos com força, o que veremos atrás cortina de cílios?
Só o preto, igual vemos quando vamos dormir?
Ou uma paisagem transaparente, flutuante com valsinha tocando ao fundo?
A gente vai ao encontro de Deus? Ou ele é muito ocupado e manda um assistente alado?
Será que o fim é também um começo?
Ou alguém muito esperto inventou essa coisa de vida após a morte só pra nos deixar confortável aqui nesse mundo?
É amiga, você bem que podia me responder, daí de cima - é pra cima que a gente vai, não é? - mandando pistas com as gotas da chuva, com o geladinho do vento, com o calor do sol.
Será que depois de morrer a gente ainda pode olhar os que ficaram, mandar sinais, ler as palavras que eles escrevem na areia, ouvir o recado que mandam nas orações?
Ou vamos voltar, em outro corpo, com outro nome e em outro lugar?
Sabe, eu não queria ser outra. Muito menos ter outro pai e outra mãe. Outros amigos. Outro irmão.
Gosto de ser quem sou, de estar onde estou, de te perguntar daqui como é aí...
Também queria um jeito de aceitar melhor quando as pessoas vão.
Queria que ninguém mais fosse.
Será que a gente se encontra mais uma vez?
Ou quando eu for você já vai ter voltado, caminhado além do que eu posso alcançar?
Seja como for, eu tenho fé no depois.
E sigo daqui, te desejando luz.

É amiga, minha vida é agora.
Até que chegue a hora.

Fica em paz.

5 comentários:

Lydia disse...

Muitas são as dúvidas em relação ao que vem após a morte. Não sou diferente de ti.
Beijo!

disse...

nossa...
posso não comentar?
vc sabe que tem hora que não dizer nada, diz tudo.
aliás, você já disse tudo.
Nessas horas me lembro porque eu gosto tanto de você sabia?
um beijo enorme
aproveite a visita
queria muito estar aí

amanda. disse...

lê... que coisa bonita!

posso salvar e mandar alguém ler quando eu morrer?
haha
alias, ha tempos queria escrever sobre morte, mas de um modo que não assustasse niguém.
porque ela ainda é um tabu. não sei porque.

e como voce faz isso com tanto facilidade? me ensina?

;**

jessicadeverdade disse...

olá sei que a gente nem se conhce, mas gostei muito do teu blog na verdade, fico por aí fuçando a vida dos outros...rs
Desuclpa a inva são se puder dá uma passada lá no meu...
abraços

.Ná. disse...

Me fez lembrar de alguém que sinto falta também. Mas é essa fé no depois que nos impulsiona pra frente.
bjos