terça-feira, 1 de abril de 2008

Meu amor não é mentira



Para te amar me livrei das mentiras. Quase todas, porque as histórias fantásticas não me canso de contar. Para te impressionar.
Me limpei com água de cheiro, preparei um bolo para te saciar, uma cama de roupas brancas, um colo com reserva eterna. Em seu nome.
Fiz tudo de uma vez, pra depois me livrar de tudo. Fiquei vazia pra me encher de você.
Em cada buraco meu um pedaço teu. Feito cimento pra arrumar o estrago de outros vendavais. Temporais. Não mais.
Troquei os discos, deixei reinar o som dos seus passos, seus gemidos e ruidos. Sem gritos.
Fui falando menos, muito menos do que sou capaz. Só pra que existisse em mim um silêncio de te ouvir. Coloquei sua voz no repeat e jamais me cansei.
Para te amar deixei do outro lado do mapa tudo e todos. Coloquei eles no coração laceado pelos anos longe de você. Eles respiram aliviados.
Cheguei perto, mais perto, tão perto a ponto de ver só um olho teu. O olho que me vê. Vela.
Me transformei em mulher, com alguns vestígios da menina de tranças pra quem você ofereceu a cadeira. Para que não se esqueça.
Fiz um vento embaixo do seu pescoço, dedilhei a sola dos teus pés, mordi todas as partes do seu braço, inventei um jeito de te ver sorrir que acontece bem ali na sua barriga. Minha barriga.
Te dei minha mão, aceitei teu nome, te escolhi pai pra quando houver um filho.
Para te amar foi só te ver.

2 comentários:

Fernanda disse...

que linda declaração de amor
que lindo é o amor!
:)
amigona
quero que vc seja muito feliz!

amända. disse...

que coisa mais linda, lê!!
lindo lindo lindo mesmo.

quando a gente acha que não é mais possivel se declarar de qualquer forma, vem você e nos mostra como rearranjar palavras e fazê-las parecer magicas.

lindo.
:**